Archive for the 'diminuto' Category

                            sisudo

                 vou fazendo da mísera

                                                     poesia

                                           as vísceras

                                  de um poeta miúdo.

Anúncios

Um tecido branco

               no entanto

         não sei…

 

                   na verdade já desconheço

                             cheiros e rostos

                             despercebo os tatos, os gostos

                                       não sei…

 

                   já desconheço as mágoas

                             não as sei…

      e como gelo sobre água

                  era um corpo

                           evaporei…

 

Quando eu me esconder cintilante sobre o firmamento

                                               desdiga o adeus.

 

                           Guarde os lenços e

                        lembre que a graça no sofrimento

                               está em sê-lo graça, risos meus

 

         E lembre de admirar as nuvens celestinas

                                        sabendo que a linha pintada no céu

                                              que parte detrás das colinas

                                                             depois da chuva 

                                          poderá ser meu sorriso

                                                em sete cores

                                                                         uma

                                                                                     a

                                                                                           uma.

sobre a trovoada

              de verão

              os que viverem

              sobreviverão

 

 

               E fiz mal nenhum àquela

         flor que num puxão arranquei,

              agora que o cheiro de minhas mãos

         é o perfume que de ti guardei.

 

 

Até um suicida sua,

         pinga, suando na ida

de sua despedida.

              Acredito em tudo,

                 depois qu’um surdo,

            der ouvidos a um mudo.


Curta!

São dez palavras, secas, escritas. Se dizem caladas, digo egoístas

Ora, por que?

Muitos de nós vivemos em busca de alguns significados, porquês. Explicações para o que sentimos, desejamos, ou até porque as vezes sorrimos e choramos. Por isso, textos científicos e autoajudas, cheios de porquês, são escritos para nos confortar e fazer parecer que, para tudo, existe para tudo um porquê.
Diante desses complexos, a poesia é mais simples. Ela não tem significados, porquês. Ela é como o amor que sentimos e não sabemos explicar porque, simplesmente, não há um porquê. A poesia é apenas sentimento passageiro, um desenho irresponsável com as palavras que sai da cabeça, corre pelo papel e alí fica. Alí fica sem sabermos porquê.

Quem

Tiago Ribeiro é estudante de jornalismo e vive sob a liberdade da música. Não acredita no dinheiro como fonte de felicidade e em pessoas que não o olhe nos olhos – acredita nas crianças. Dorme pouco para viver mais, e acorda cedo para ver o sol.

O que é Haikai?

O haicai é um pequeno poema composto por três versos, surgido no Japão do século XVI. Na escrita do poema em português, aceita-se de 17 à 21 sílabas.

O que passou…

Contato

tiago.ribeiros@terra.com.br