Archive for the 'Desdesenho' Category

       
À tarde,

            disse a tempestade,

                                            ao ar:

                             só deixo de lamúrias

                                  se um beijo, às escuras,

                            o sol vier me dar.

 Arara,

                                           lê de frente,

                                                     lê detrás,
                                         lesse arara                                            

                                             tanto fez e tanto faz.

 

 

Podes ser ainda,

           até mais linda,

                talvez tão iluminada

  quanto a maior estrela do mundo

           sem mudar em nada,

                      sendo só o mesmo tudo.   

     Um ponto de fuga
           reluz alto, no céu,
                mas no chão, suas rugas,
                                          seu véu,
                              e seu manto,           
                  ouvem dum santo,
        perdido, sem sul nem norte,
                   declamar baixinho,
                        devagarinho,
                                     
                                                    
santa  é  a  paz  da  morte…


   Se as estrelas falassem,

          o céu, um falatório.

 

               Ilusório,

      sonho dizer a elas: passem,

               me deixem dormir.

 

 

                     Graça Aranha

                                        na rosa de Guimarães,

                                                       por desgraça, enfim,

                                           subiu e do alto gritou façanha,

                                                 sem ver o machado

                                                afiado por Assis.

               It’s perfect,

                  a life without

          hits of defects

when the man forget the man

and love the animal

 

                   …ou esquece de ser bicho

                              selvagem e urbano,

                          protegendo seu filho

como animal em pele de ser humano.


Curta!

São dez palavras, secas, escritas. Se dizem caladas, digo egoístas

Ora, por que?

Muitos de nós vivemos em busca de alguns significados, porquês. Explicações para o que sentimos, desejamos, ou até porque as vezes sorrimos e choramos. Por isso, textos científicos e autoajudas, cheios de porquês, são escritos para nos confortar e fazer parecer que, para tudo, existe para tudo um porquê.
Diante desses complexos, a poesia é mais simples. Ela não tem significados, porquês. Ela é como o amor que sentimos e não sabemos explicar porque, simplesmente, não há um porquê. A poesia é apenas sentimento passageiro, um desenho irresponsável com as palavras que sai da cabeça, corre pelo papel e alí fica. Alí fica sem sabermos porquê.

Quem

Tiago Ribeiro é estudante de jornalismo e vive sob a liberdade da música. Não acredita no dinheiro como fonte de felicidade e em pessoas que não o olhe nos olhos – acredita nas crianças. Dorme pouco para viver mais, e acorda cedo para ver o sol.

O que é Haikai?

O haicai é um pequeno poema composto por três versos, surgido no Japão do século XVI. Na escrita do poema em português, aceita-se de 17 à 21 sílabas.

O que passou…

Contato

tiago.ribeiros@terra.com.br