Archive for the 'com versos' Category

tão perto de um porto

                                   parto

                           e me perco.

 

tão cedo quanto o sol

    que ainda não pintou o verde

                                                   do mar

                                                       de amarelo

                                               como barco desancorado

                                       me desaconteço.

 


Amigos, como o barco que tentei escrever neste último poema, acredito que nós, seres tão pequenos, vivemos em constantes travessias. Em vista disso, inicio uma nova fase na vida que deixará minha atenção um pouco distante deste blog. Agradeço a todos que sempre estiverem presentes por aqui, seja silenciosamente, ou não.

Até mais,
Tiago

Anúncios

                              partes de mim

                    particularmente

                                não se partem:

                                                             são partículas.

                           

                            por isso

                            dizem que sou pó de areia

                                                                        poeira

                             de um

                             poema de estrada

                             até que um raio me parta

                                                            mais partículas.

 

                             mas

                             não adianta um raio

                             uma raia

                             ou a correnteza de um rio

 

                                           sou carona do vento que parte

                                                               passagem apenas de ida

                                                                         cedo ou tarde

                                                                   venho

                                                                          para ser partida.

  conscientemente

                     me dilato.

 

                                sou consoante

                        para ser fim

                                    de um hiato.

as favas

um coração

        falava

                e

            di

                 va

                       ga

                              va.

 

      seus pés corriam pela estrada

              ganhavam o mundo.

 

                          pensei, ora: que absurdo

                                     se isso é amor

                         vivo e morro

                              mas não vejo tudo.

                         talvez hoje eu partisse

                   subtraindo corpo a um espírito

                                             vago.

 

                        mas, inda antes, teria dito

                                         mesmo mudo

                                                  tudo

                                                     em vozes de afago.

 

                         inda bem antes, pela última vez

                                      meus dedos seriam pentes

                             em teus  cabelos para que, de repente

                                        você sorrisse, talvez.

 

                                  quem sabe mesmo hoje eu me vá

                                          afinal, envelheço

                                       sou natural

                               como orvalho formando bolhas

                          mas que não serão de água

                                serão lágrimas

                                         e meus olhos

                                                      as folhas.

             Aquele filete rosa

                no fim da tarde sublinhando as montanhas

                                     eram restos

                                  eram meus.

 

Aquele ramalhete de rosas

no fim da tarde murchando estranha

eram desafetos

eram eus.

 

Aquele lembrete em prosa

  que no fim me arde as entranhas

eram só versos

sempre

                              eu disse sempre teus.

 

Quem sabe a noite tenha roubado as estrelas para si

                      ou só estão às sombras de uma nuvem

 

                 seja onde estiverem, adormecidas

                 creio: elas voltam, sempre vem

                         me enxugam os olhos                                   

              me dizem olá, tudo bem                

 

 

                                                                   …

 

 

         Mas a noite, passando, vira dia

                        e me vou parecendo nua

                                                         lua

                                sem as estrelas

                                       sozinha.


Curta!

São dez palavras, secas, escritas. Se dizem caladas, digo egoístas

Ora, por que?

Muitos de nós vivemos em busca de alguns significados, porquês. Explicações para o que sentimos, desejamos, ou até porque as vezes sorrimos e choramos. Por isso, textos científicos e autoajudas, cheios de porquês, são escritos para nos confortar e fazer parecer que, para tudo, existe para tudo um porquê.
Diante desses complexos, a poesia é mais simples. Ela não tem significados, porquês. Ela é como o amor que sentimos e não sabemos explicar porque, simplesmente, não há um porquê. A poesia é apenas sentimento passageiro, um desenho irresponsável com as palavras que sai da cabeça, corre pelo papel e alí fica. Alí fica sem sabermos porquê.

Quem

Tiago Ribeiro é estudante de jornalismo e vive sob a liberdade da música. Não acredita no dinheiro como fonte de felicidade e em pessoas que não o olhe nos olhos – acredita nas crianças. Dorme pouco para viver mais, e acorda cedo para ver o sol.

O que é Haikai?

O haicai é um pequeno poema composto por três versos, surgido no Japão do século XVI. Na escrita do poema em português, aceita-se de 17 à 21 sílabas.

O que passou…

Contato

tiago.ribeiros@terra.com.br