tão perto de um porto

                                   parto

                           e me perco.

 

tão cedo quanto o sol

    que ainda não pintou o verde

                                                   do mar

                                                       de amarelo

                                               como barco desancorado

                                       me desaconteço.

 


Amigos, como o barco que tentei escrever neste último poema, acredito que nós, seres tão pequenos, vivemos em constantes travessias. Em vista disso, inicio uma nova fase na vida que deixará minha atenção um pouco distante deste blog. Agradeço a todos que sempre estiverem presentes por aqui, seja silenciosamente, ou não.

Até mais,
Tiago

Anúncios

5 Responses to “”


  1. 1 farteche 11 d e junho d e 2009 às 11:04

    Ora, ora. Só não abandone o barco de vez, poeta. Apareça para escrever de vez em quando.

  2. 2 ofelia 14 d e junho d e 2009 às 01:04

    Poxa Tiago, escreva sempre, vamos esperar pela sua inspirada volta. Sua poesia vai fazer falta…

  3. 3 tati plens 17 d e junho d e 2009 às 01:15

    Era tão bom para quem de terras distantes podia por aqui navegar…

  4. 4 Labes 9 d e julho d e 2009 às 11:13

    muito mas muito bacana mesmo esse teu espaço. me tornei visitante convicto. abraço.

  5. 5 Karina 28 d e abril d e 2010 às 20:19

    Eu gosto de gente que acorda cedo para ver o sol. Eu gosto de gente que consegue entender que felicidade não se compra e que nas veias corre muito mais que sangue; frases que criam a poesia.

    Uma grande beijo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Curta!

São dez palavras, secas, escritas. Se dizem caladas, digo egoístas

Ora, por que?

Muitos de nós vivemos em busca de alguns significados, porquês. Explicações para o que sentimos, desejamos, ou até porque as vezes sorrimos e choramos. Por isso, textos científicos e autoajudas, cheios de porquês, são escritos para nos confortar e fazer parecer que, para tudo, existe para tudo um porquê.
Diante desses complexos, a poesia é mais simples. Ela não tem significados, porquês. Ela é como o amor que sentimos e não sabemos explicar porque, simplesmente, não há um porquê. A poesia é apenas sentimento passageiro, um desenho irresponsável com as palavras que sai da cabeça, corre pelo papel e alí fica. Alí fica sem sabermos porquê.

Quem

Tiago Ribeiro é estudante de jornalismo e vive sob a liberdade da música. Não acredita no dinheiro como fonte de felicidade e em pessoas que não o olhe nos olhos – acredita nas crianças. Dorme pouco para viver mais, e acorda cedo para ver o sol.

O que é Haikai?

O haicai é um pequeno poema composto por três versos, surgido no Japão do século XVI. Na escrita do poema em português, aceita-se de 17 à 21 sílabas.

O que passou…

Contato

tiago.ribeiros@terra.com.br

%d blogueiros gostam disto: