partes de mim

                    particularmente

                                não se partem:

                                                             são partículas.

                           

                            por isso

                            dizem que sou pó de areia

                                                                        poeira

                             de um

                             poema de estrada

                             até que um raio me parta

                                                            mais partículas.

 

                             mas

                             não adianta um raio

                             uma raia

                             ou a correnteza de um rio

 

                                           sou carona do vento que parte

                                                               passagem apenas de ida

                                                                         cedo ou tarde

                                                                   venho

                                                                          para ser partida.

Anúncios

2 Responses to “”


  1. 1 Fabrício Wolff 26 d e junho d e 2009 às 21:15

    Geralmente silencioso, diga-se de passagem.

    Todo apoio nesta “nova fase”, seja ela qual for.

  2. 2 Jéssica 11 d e julho d e 2009 às 23:33

    Seu poema me lembrou um pouco Cecília Meireles. Você costuma lê-la?

    Enfim.

    Poxa, quando eu venho aqui pela primeira vez é pra me despedir? Hunf.. Mas, tudo bem, vá em paz e volte quando der 🙂

    ;*


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Curta!

São dez palavras, secas, escritas. Se dizem caladas, digo egoístas

Ora, por que?

Muitos de nós vivemos em busca de alguns significados, porquês. Explicações para o que sentimos, desejamos, ou até porque as vezes sorrimos e choramos. Por isso, textos científicos e autoajudas, cheios de porquês, são escritos para nos confortar e fazer parecer que, para tudo, existe para tudo um porquê.
Diante desses complexos, a poesia é mais simples. Ela não tem significados, porquês. Ela é como o amor que sentimos e não sabemos explicar porque, simplesmente, não há um porquê. A poesia é apenas sentimento passageiro, um desenho irresponsável com as palavras que sai da cabeça, corre pelo papel e alí fica. Alí fica sem sabermos porquê.

Quem

Tiago Ribeiro é estudante de jornalismo e vive sob a liberdade da música. Não acredita no dinheiro como fonte de felicidade e em pessoas que não o olhe nos olhos – acredita nas crianças. Dorme pouco para viver mais, e acorda cedo para ver o sol.

O que é Haikai?

O haicai é um pequeno poema composto por três versos, surgido no Japão do século XVI. Na escrita do poema em português, aceita-se de 17 à 21 sílabas.

O que passou…

Contato

tiago.ribeiros@terra.com.br

%d blogueiros gostam disto: